• UnicPet

Como lidar com a tendência à desidratação em cães e gatos com doença renal crônica?



Um dos sintomas mais comuns em cães e gatos com doença renal crônica é produzir maior volume de urina (sintoma tecnicamente denominado de poliúria). Essa alteração decorre da incapacidade renal em concentrar a urina, o que faz com que maior quantidade de água seja eliminada na urina e, assim, a urina torna-se diluída, observando-se urina de coloração amarelo mais claro, e as vezes até mesmo incolor, e em grande quantidade. Esta alteração faz com que o pet com doença renal crônica passe a beber mais água (sintoma esse denominado de polidpsia), pois há aumento da sede, que ocorre para tentar compensar a perda de água na urina.

Assim, cães e gatos com doença renal crônica, que apresentem a maior perda de água na urina, são mais propensos a ter desidratação. E uma vez que desidratem, passam a apresentar outras consequências, tais como: indisposição, redução do apetite, e progressão acelerada da doença renal crônica.

Vale lembrar que a poliúria pode ser encontrada também em outras doenças, como: diabetes mellitus, hiperadrenocorticismo (principalmente em cães), e hipertireoidismo (principalmente em gatos). Por isso, sempre que você observar que seu pet urina em maior volume, e que está bebendo mais água (ou seja, apresentando os sintomas de poliúria e polidipsia), procure o médico veterinário de sua confiança para que se investigue o que está ocorrendo.

Concluindo: cães e gatos com doença renal crônica devem ser estimulados para ingerir mais água, a fim de evitar a desidratação, a qual favorece a manifestação de outros sintomas, além de piora a própria doença renal crônica. Existem diferentes formas para você estimular a ingestão de água nos seus pets.


Para os cães:



· Promova maior interação com seu cão; “brinque de dar agua”

· Aumente o número de vezes em que a água das vasilhas é trocada, mantendo sempre a água limpa e fresca;

· Aumente o número de bebedouros pela casa, principalmente quando tem mais de um cão;

· Use bebedouros de vidro ou alumínio que mantém a água mais fresca;


Para os gatos:



· Utilize fontes com água corrente. É possível improvisar, utilizando bombas de água de aquários e bebedouros comuns;

· Aumente o número de vezes em que a água é trocada para manter a água limpa e fresca;

· Aumente o número de bebedouros pela casa, principalmente quando há mais de um gato (recomenda-se um bebedouro por gato da casa, mais um bebedouro extra, por exemplo, se você tem três gatos, serão necessários quatro bebedouros);

· Use bebedouros de vidro ou alumínio que mantém a água mais fresca, preferencialmente rasos e largos, e repletos de água até o limite, a fim de evitar o contato das vibrissas com a água;

· Os bebedouros devem estar localizados em local tranquilo e distante da caixa higiênica.

Um recado importante é ressaltar a importância de manter esses pets hidratados, e se a ingestão de água não for suficiente para tal, mesmo utilizando-se de recursos para aumentar a ingestão, é necessário hidratá-lo pela utilização de terapia de infusão fluidos, o que deve ser orientado pelo seu médico veterinário de confiança, uma vez que a terapia de infusão de fluidos deve ser controlada, calculada e monitorada para evitar efeitos adversos, tais como excesso de volume, que poderia causar algumas complicações importantes, tais como hipertensão arterial sistêmica e edema pulmonar.

Profa. Dra. Cínthia Ribas Martorelli


196 visualizações

Av. Gal. Ataliba Leonel, 3090 - Tucuruvi - São Paulo, SP 02242-001

(11) 2959-2071

logo 12.1.png
criado por
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle